Conheça 4 dicas para ser um bom líder.

4dicas-bom-lider

Quantas vezes você já ouvir dizer que, alguns nascem para serem líderes enquanto outros para serem lideradas. Se você pensa assim, este artigo é pra você! Vamos falar sobre 4 dicas para ser um bom líder, e o melhor, você não precisa nascer com essas habilidades.

Qualquer pessoa com vontade e motivação para aprender, pode ser tornar um líder cada vez melhor.

Provavelmente você já ouviu dizer que o melhor vendedor foi promovido a gestor de vendas. Mas, os resultados como líder não foram de acordo com seu desempenho quando era vendedor. 

Esta transição entre cargo operacional e gerencial é comum nas empresas. Afinal, é um ciclo natural de evolução no seu plano de carreira. Agora, o que determina se o vendedor terá grandes resultados como gestor, é o quanto ele se preparou para liderar pessoas.

Para ser um líder, é importante desenvolver certas competências pessoais que nos dizem como conduzimos nossas emoções, compreender o sentimento dos liderados, para que possamos tomar as melhores decisões.

Por isso, listamos aqui 4 aptidões de liderança que podem ajudar a aprimorar suas habilidades e alcançar suas metas.

1 – Líder precisa ter Autoconsciência:

Pessoas autoconscientes tem um profundo conhecimento sobre suas emoções, forças e limitações. Essas pessoas tendem a serem mais realistas, sabem o impacto de suas emoções em seu entorno. Além, de terem grandes convicções de seus valores e princípios.

Líderes autoconscientes são capazes de recusar uma oferta de trabalho financeiramente irrecusável. Pois, eles sabem onde querem chegar e por quê. Ao contrário de uma pessoa sem autoconsciência, que aceitaria a proposta por conta do salário, mas seria infeliz com seu trabalho a longo prazo.

Autorreflexão é uma característica dessas pessoas. Elas dedicam tempo para ficar sozinhas e refletir sobre determinada situação para que seja tomada a melhor decisão sem agir por impulso.

Para desenvolver essa aptidão, você pode começar respondendo às seguintes perguntas:

  • Quem quero ser?
  • Quem eu realmente sou?
  • Quais são as minhas fraquezas?
  • Quais são as minhas forças?
  • Quais são os meus valores e princípios? 

2 – Líder precisa ter Autogestão:

A autoconsciência permite compreender suas emoções, no entanto, não adianta saber de suas fraquezas e não ter controle sobre elas. Autogestão é o ponto de equilíbrio para compreender e controlar seus efeitos.

O líder não poder se dar ao luxo de ser controlado por emoções negativas como, raiva, frustração, ansiedade e pânico. Pois, as consequências podem ser graves. Uma vez que nosso cérebro é inundado com as emoções negativas, não conseguimos manter a capacidade de concentração e execução para as atividades que precisam ser feitas.

Portanto, a autogestão é o que nos permite visualizar com clareza o que está acontecendo e, comandar nossas emoções. Os líderes  com autodomínio mantém o clima otimista e transmitem uma energia positiva a seus liderados.

Agora imagine um líder que não consegue controlar suas próprias emoções, este não será capaz de conduzir as emoções alheias. O modo como o líder se comporta em determinada situação tem total influência nos resultados de sua equipe. Então controlar suas emoções e ser transparente se faz essencial para alcançar seus resultados.

3 – Líder precisar ter Consciência Social:

Reconhecer e controlar suas emoções não são o suficiente para se tornar um líder de resultados. Pois, isso não garante que irá impactar nas ações da equipe.

Neste ponto, falamos da Consciência Social, a arte de se conectar com o outro e entender seus sentimentos. Ou seja, ter empatia com o próximo. Mas, ter empatia não significa que o líder deva agradar a todos. Empatia significa considerar os sentimentos dos empregados para tomar decisões inteligentes que gerem reações positivas.

O líder com essa habilidade pode sentir as emoções alheias de forma a alegrar-se quando alguém fica feliz, ou até mesmo chorar e ficar chateado em situações difíceis como, por exemplo, uma tragédia pessoal, uma demissão ou até uma repressão de seu empregado. 

Líderes com empatia são ótimos em realizar discursos que mexem com as emoções alheias. Se expressam de forma convicta e autêntica, isso mostra confiança e coragem para quem está sendo liderado.

Por outro lado, os líderes que não possuem empatia podem desencadear uma onda de reações negativas pela empresa. Este cenário se resume na perda de talentos, baixa na produtividade e em casos extremos a falência da empresa.

4 -Gestão de relacionamento:

A tríade autoconsciência, autogestão e consciência social, juntas formam a gestão de relacionamento. Saber conduzir todas as aptidões com harmonia irá potencializar a forma como se relacionar com as pessoas.

Nesta aptidão se torna mais visível, habilidades de liderança como, persuasão e administração de conflitos. Pois, gerir relacionamentos resume-se a lidar com emoções alheias. 

Os líderes precisam ser autênticos e convictos de seus valores. Manipular sentimento para engajar pessoas pode funcionar no início, mas com o tempo eles serão desmascarados e o resultado talvez seja irreversível.

Lidar com pessoas não é uma tarefa fácil, mas o líder preparado conduzirá sua equipe para resultados extraordinários e garantirá a existência da empresa por vários anos.

Conclusão:

Vimos que para ser um bom líder não precisamos nascer com as habilidades certas. Pois, basta desenvolve-las. No entanto, esse processo de desenvolvimento envolve os líderes atuais da empresa e a vontade do liderado em crescer.

Ter um plano de crescimento na empresa deve incentivar os liderados a se capacitarem. Afinal, investir nos liderados irá formar um banco de talentos de líderes para sua empresa usar quando houver oportunidades.